« Voltar

Notícia

Agroicone compartilha experiências sobre regularização ambiental em evento no Rio Grande do Sul

05/12/2018

45636061_1920209088070666_398398649526124544_o.jpg

Nos dias 25 e 26 de outubro, Santa Maria (RS) foi o palco de uma importante discussão acerca da regularização ambiental do estado, uma vez que reuniu especialistas de diversos segmentos no I Seminário de Estratégias para Adequação Ambiental do Rio Grande do Sul.

Estruturado em quatro mesas redondas, o evento abordou as seguintes temáticas: restauração ecológica, técnicas de restauração ecológica de ecossistemas, restauração ecológica para ecossistemas campestres e aspectos gerais da Lei de Vegetação Nativa – conhecida como o novo Código Florestal.

A Agroicone, por intermédio de seu sócio-diretor, Rodrigo Lima, compartilhou suas experiências na mesa redonda sobre legislação e ofereceu detalhes a respeito dos Programas de Regularização Ambiental (PRAs), que são instrumento fundamental introduzido na revisão da lei em 2012. 

“Nos últimos anos, por intermédio de projetos como o Iniciativa para o Uso da Terra (INPUT), tivemos a oportunidades de ter um contato bem próximo com a cadeia produtiva, entendendo anseios, motivações e, principalmente, quais eram os pontos que necessitavam ser sanados para evitar insegurança jurídica no processo de adequação ambiental. Neste sentido, o desenvolvimento das regras estaduais pode destravar a implementação da lei e gerar benefícios ao produtor”, destaca Rodrigo Lima.

Atualmente, o País conta com 16 estados com o PRA devidamente instituído. “Àqueles que ainda não desenvolveram as suas regras precisam criar programas objetivos, que definam o passo a passo da adequação dos produtores que desmataram antes e após 22/07/2008. No caso do Rio Grande do Sul, ainda é essencial definir critérios para o manejo sustentável da Reserva Legal no Pampa, o que é fundamental para a pecuária gaúcha.”, completa Rodrigo.

De acordo com Rodrigo, outro ponto que merece atenção na futura definição de como ocorrerá a restauração ambiental no Estado e o fomento à recomposição de áreas degradadas e à restauração com fins econômicos. “Este último é um desafio que exige políticas de incentivo e o Governo deverá conceder atenção especial, uma vez que a ação contempla não apenas o desenvolvimento ambiental, mas, também, o econômico e o social”, finaliza Rodrigo. 

Fonte: Agroicone

Autor: Redação

Tel: +55 (11) 3025-0500

E-mail: agroicone@agroicone.com.br

Avenida Angélica, nº 2447 conjunto 173 - Higienópolis

CEP 01227-200 São Paulo/SP - Brasil